Fotos: JG

Os apreciadores de cerveja adoram discutir se a melhor é a alemã, a belga ou a tcheca. Confesso que não sou muito de cerveja, mas das que tive a oportunidade de provar, tenho que dar a vitória para a República Tcheca. Em nossa passagem por Praga, aproveitei para conhecer outras marcas. Dessas, destaco a Staropramen e a Kozel, sendo as pretas as mais saborosas porque são densas mas sem amargor, ou seja, dá para beber e saborear muitas.

Durante a viagem fomos conhecer dois pubs antigos e famosos por lá, que fabricam a própria cerveja. A primeira parada foi no Prazsky Most, que é um misto de restaurante e pub. Assim como muitos lugares em Praga, ao entrar você só verá um pequeno bar com duas ou três mesas. Mas ao descer pela escada, surge um restaurante enorme subterrâneo, todo de paredes de pedra e ostentando três enormes equipamentos de fervura de cerveja.

A produção é artesanal e feita no próprio local. Provamos a pielsen e a cerveja preta com toque de café, ambas deliciosas. Indico este pub não só para os cervejeiros, mas também para casais (o lugar é lindo e romântico) e para quem quer conhecer um famoso pub subterrâneo da cidade.

Depois fomos ao U Medvidku, um dos primeiros pubs a produzir a própria cerveja em Praga. As mesas ficam de frente para os barris e você pode apreciar a fabricação ao mesmo tempo que prova a Red Beer deliciosa do local. E sim, a fama é verdadeira: a cerveja de praga, além de deliciosa, custa menos que a água.

Para intercalar tantas degustações de cerveja, claro que não poderíamos deixar de falar das comidas de rua da cidade. O principal atrativo são as deliciosas linguiças que podem ser encontradas em barraquinhas na praça Vaclavske Namesti. É difícil eleger a melhor, são todas muito bem temperadas e saborosa. Trata-se do melhor cachorro quente do mundo, só isso. A minha favorita foi a Prague Sausage que é levemente apimentada.

De sobremesa, nada como um Trdelník (o rolinho de pretzel parecido com os que são vendidos em Budapeste). Eles estão em muitas lojas e quiosques pela cidade, o segredo é escolher um local em que eles sejam feitos enrolados na madeira e assados no carvão, e servidos quente com uma cobertura de pó de amêndoas. Totalmente viciante!

Prazsky Most – Betlémská 5, Praha 1
www.prazskymost.cz

U Medvidku – Na Perštýně 7
www.umedvidku.cz




02 mar 15


Fotos: Natalia Valle

Fevereiro foi bem gostoso, ainda mais com carnaval no meio! Para variar, entupimos o instagram com dicas e sugestões. Aproveito para deixar aqui as nossas favoritas: produtos que conhecemos recentemente, lançamentos e indicações. Para conferir todas, segue a gente por lá que março também promete muitas delícias.

Birita
Ultimamente, meu passatempo preferido tem sido provar cervejas que ainda não conheço. A Hot Lager do Barco foi uma que chamou atenção. Produzida em Gramado, ela é uma light lager com gosto leve de pimenta no final, achei excelente para acompanhar o salgadinhos de boteco. Encontramos dela no bar Os Imortais (a carta de cervejas é grande e apesar de nem sempre ter todas disponíveis, vale a vista). Outra que amamos foi a belga Hoegaarden Rosée, fruit beer bem levinha com toque de framboesa e essa cor maravilhosa – a cara do Gulab e ótima para tomar no verão.

Produtos
O Magnum lançou a edição limitada Dolce & Gabbana em comemoração aos 25 anos do sorvete. O design da caixinha linda é assinado por Domenico Dolce e Stefano Gabbana. O preço não é lá muito amigo (encontramos por R$ 13 e essa versão é menor), mas é delicioso: sorvete de baunilha com pedaços de chocolate meio amargo e pistache, coberto com chocolate branco. Outra dica que vocês precisam provar: o queijo Camembleu da São Vicente. A marca nos enviou presskit apresentando alguns produtos e esse foi o favorito: uma mistura de gorgonzola com camembert de comer rezando e chorar quando acabar – nesse nível, alguém acode. Quero esse queijo todos os dias, gente.

Restaurantes
Por fim, duas novidades: o Rolé inaugurou na Galeria São Luís, no Largo do Machado, e nos convidou para conhecer o cardápio. O restaurante tem muitas opções leves e saudáveis de sanduíches, wraps e saladas. Se ficar em dúvida por onde começar, recomendamos o wrap de ceasar e o sanduíche de parma com brie! Opção gostosa para quem trabalha por perto ou costuma ir ao cinema ali. Outra novidade que está dando o que falar são os milkshakes do Outback, se você ainda não provou, começe pelo de Cookies n’ Cream (foi o nosso favorito disparado).





Fotos: Bruna Rodrigues

Como somos uma equipe de cinco pessoas aqui no Gulab (duas autoras e três colaboradores), é normal que cada um escreva sobre aquilo que tem mais habilidade, facilidade ou conhecimento. No meu caso, levando em consideração a minha (falta de) habilidade na cozinha, eu ajudo nas receitas fáceis, que são rápidas e não dão dor de cabeça.

A dica de hoje eu testei em um encontrinho de amigas lá em casa e teve aprovação geral. O pavê de KitKat batido no liquidificador não demora nem 15 minutos para fazer e serve seis pessoas. O mais difícil é esperar o tempo que ele tem que ficar no congelador (1 hora e meia de tortura, mais ou menos). O legal é que se for usado como sobremesa de um almoço, por exemplo, você pode deixá-lo prontinho desde cedo e tirar da geladeira somente na hora de servir. Eu coloquei em porções individuais, dentro de pequenas xícaras, mas ele pode ser colocado em outros recipientes caso você prefira.


Pavê de KitKat

(de liquidificador)



    Ingredientes

  • 2 latas de leite condensado
  • 1 lata de creme de leite
  • 1 gelatina em pó sem sabor
  • 1/4 de litro de sorvete de creme ou baunilha
  • 6 pacotinhos de KitKat



Modo de preparo
Prepare a gelatina sem sabor no microondas, conforme a embalagem.
Corte o KitKat em pequenos pedaços.

No liquidificador, coloque a gelatina pronta, o leite condensado,
o creme de leite e o sorvete.

Acrescente também o KitKat picado,
lembrando de deixar parte dele para colocar por cima do pavê.

Deixe no congelador por, no mínimo, uma hora e meia, e sirva em seguida.





Fotos: Bruna Rodrigues

Outro dia uma amiga comentou sobre um restaurante grego que acabou de abrir em Botafogo, o Santorini fast food europeu. Na verdade, ele foi inaugurado no fim do mês de dezembro e desde então queria ir lá para provar e contar para vocês como é. Fiquei super curiosa para conhecer, porque até então o Rio não tinha nenhum restaurante de pratos gregos (acredite se quiser!). O espaço é bem pequeno, mas a decoração é uma graça (com lustres no teto e cadeiras coloridas da Oppa). Além disso, eles conseguem reunir as coisas que mais valorizo: boa comida e bom atendimento.

Nós provamos a salada grega com alface, tomate, pepino, pimentão, azeitonas e o delicioso queijo feta (feito com leite de ovelha e típico da Grécia). Temperamos a salada com um azeite apimentado e ficou divino. Para acompanhar, pedimos um churrasco grego de pernil no pão árabe. Tudo muito gostoso, perfeito pra fechar um fim de tarde de verão super agradável. Faltou provar a famosa moussaka grega. Fica pra quando voltarmos lá, o que certamente vai acontecer!

Santorini fast food europeu
Praia de Botafogo, 406, loja A1
Botafogo – Rio de Janeiro




11 fev 15

Margarita


Fotos: Natalia Valle

Alguém já perguntou qual era o seu hobbie e você ficou sem ter uma resposta concreta para a pergunta? Eu sempre tive a resposta na ponta da língua: cozinhar. Mas aí o hobbie se transformou em profissão e fiquei perdida. Já fiz bijouteria, pintei, porcelana, entre outras coisas. Tentei diversas atividades que me despertassem uma paixão, mas todas em vão. E ano passado me casei com o rei dos hobbies. Ele sempre encontra algo que o anime e ocupe parte do seu tempo de ócio. Seu último hobbie descoberto? Barman. Ganhamos de presente um kit de drinks e isso desencadeou muitos deliciosos, além de tardes na beira da piscina com copos e canudos coloridos. A receita de hoje foi a minha favorita: margarita. Super simples de fazer e não exige uma coqueteleira. Vamos começar o aquecimento para o carnaval!


Margarita (ou marguerita)



    Ingredientes

  • 1 e 1/2 dose de tequila (1 copinho de cachaça, 50 ml)
  • suco de 1 laranja
  • suco de 1 limão
  • 3 pedras de gelo
  • 1/2 dose de cointreau
  • sal para decoração


Modo de preparo
Junte todos os ingredientes na coqueteleira (ou liquidificador)
Balance com força (ou bata) por cerca de 30 segundos.

Espalhe o sal em um pires, passe limão na borda de um copo raso e largo
e coloque o copo de cabeça para baixo sobre o sal.
A idéia é beber a margarita com um toque desse sal.





Fotos: Bruna Rodrigues

Não sei vocês, mas nesse calor do verão carioca eu só consigo pensar em comidas frias (além de guloseimas, claro, tipo sorvete e um pavê bem geladinho). Para o último almoço de família, preparei uma receita que é leve e rápida de fazer, perfeita para essa época do ano, quente e com muita correria.

A salada de quinoa com hortelã demora cerca de 20 minutos para ser preparada e rende para quatro pessoas. Além de não possuir glúten, a quinoa é conhecida por ser rica em proteínas, cálcio e ferro. Ou seja, a gente pode comer à vontade, sem peso nenhum na consciência. Então, vamos à receita:


Salada de quinoa com hortelã



    Ingredientes

  • 250g de quinoa real
  • 1 tomate
  • 1 cebola
  • 2 colheres (sopa) de salsinha picada
  • 4 colheres (sopa) de hortelã picado
  • 1 limão
  • Sal e azeite a gosto


Modo de preparo
Cozinhe a quinoa durante cerca de 15 minutos
(a medida é sempre o dobro de água para cada xícara do cereal).

Misture a quinoa cozida com o tomate e a cebola picados.
Acrescente a salsinha e o hortelã.

Tempere com sal e azeite e acrescente o suco de um limão
(caso não queira que o sabor do limão fique muito pronunciado, coloque apenas metade).

Reserve na geladeira e sirva em seguida.




05 fev 15

Budapeste: Rétesház


Fotos: JG

Depois de dias incríveis e totalmente encantados com a vida extremamente movimentada de Budapeste, escolhemos um restaurante com pratos típicos húngaros para a última refeição. O Rétesház (Casa do Strudel em português) fica perto da Basílica de São Estevão e oferece um cardápio com muitas opções como as famosas linguiças, pato, goulash (sopa de carne temperada) e o Foie Gras que é um dos pratos mais típicos da região.

Nossas escolhas foram Foie Gras grelhado servido com maçã caramelizada e creme de batatas que estava uma delícia, a costeleta crocante de porco com alho servida com strudel de repolho, e uma seleção de carnes deliciosa com linguiça defumada e lombo de porco. Tudo muito bem feito. Para acompanhar, vinho rosé Egri PapTag 2013, algumas taças de Palinká de pera e ameixa, e a cerveja húngara pale lager Soproni. Vale ressaltar que em Budapeste se come bem e, mesmo com o acompanhamento de vinhos, os preços continuam muito acessíveis.

O restaurante oferece uma carta enorme de Strudels (ganhamos amostra de vários tipos para provar), mas como esta não é minha sobremesa favorita indico procurarem dois dos mais gostosos doces desta região:

O kurtos kalacs é feito com uma massa de pretzel fininha, assada em rolos de madeira, que pode ser coberta com amêndoas, chocolate e baunilha. Tem vários quiosques pela cidade, mas eu indico o da esquina das avenidas Andrassy e Bajcsy Zsilinszky. Não deixem de provar também o chocolate que os húngaros adoram, o Turo Rudi. Dizem que depois de comer um é impossível não se viciar. O chocolate é recheado com queijo cottage (parece estranho, mas é uma delícia) e é vendido nos supermercados na seção de frios (é para ser mantido e consumido resfriado).

Rétesház
Rua Október 6 – Budapeste
www.reteshaz.com