Fotos: Flavia Peroba

Salada de inverno sempre foi uma espécie de paradoxo na minha cabeça. A salada é uma forma de me refrescar no calor, quando um prato quente é algo impensável. No inverno gosto bastante das sopas e caldos mas dificilmente penso em saladas. Até que recentemente, em um dia chuvoso, eu não queria sopa nem carne. Eis que juntei diversos ingredientes que encontrei na geladeira para tentar algo. A arte do improviso. Acho que todos já passamos por uma noite de quinta-feira com alguns pontes de restinhos na geladeira e pouco ânimo para criar algo diferente. Bom, assa daqui, sacode dali e frita de lá, cheguei a essa salada deliciosa, com carinha de inverno e frescor de primavera.

Rende 4 pratos principais. Se você quiser como entrada, seria algo em torno de 10 pequenas porções. Já que ela é uma salada de alta saciedade, recomendo servir em micro porções para acompanhar um prato principal.


Salada de Inverno



    Ingredientes

  • 4 tomates maduros cortados em cubos médios
  • 200g de champignon em conserva
  • 300g de bacon em cubos pequenos
  • 2 pães francês dormidos
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 2 pimentões verdes
  • 1 punhado de folhas de manjericão
  • 2/3 xícara de azeite
  • 1/3 xícara de vinagre
  • 1 colher de chá de alho picado
  • 1 colher de café de sal

Modo de preparo
Descasque o pão e separe em pedaços.
Coloque os pedaços espalhados em uma assadeira e regue o azeite por cima.
Leve ao forno médio até ficar levemente dourado.

Frite o bacon e reserve.

Divida os pimentões em dois ao comprido.
Coloque diretamente sobre a chama do fogo alto até que a pele fique levemente preta
(isso fará com que eles fiquem levemente adocicados e sem aquele sabor forte do pimentão).
Com a pele preta, coloque dentro de um pote e tampe por uns 10 minutos.
Tire a parte preta da pele (o máximo possível) e pique em cubos.

Para o molho basta juntar o azeite, vinagre sal e alho e mexer bem.
Junte todos os ingredientes regando com o molho ao final e sirva.





Fotos: Natalia Valle

No sábado recebemos um convite gostoso: subir a serra para conhecer as novas da Bohemia. A cervejaria, localizada em Petrópolis, abriu as portas para um lançamento animado, bem organizado, com música e food trucks para apresentar os novos rólutos. Então lá fomos nós curtir o frio, comida e bebida boa em ótima companhia. Como recusar?

O evento mal havia começado e já estava bombando, o motivo de tanta procura é que a Bohemia deu um gostinho do que estava por vir. No ano passado, eles lançaram estas mesmas cervejas mas apenas em versão chope em alguns bares e festivais especializados. Ou seja, quem provou não parava de falar delas e quem não provou ficou naquela curiosidade.

A boa notícia é que agora elas chegam ao público engarrafadas. No evento degustamos tanto a versão chope quanto a de garrafa. Elas são inspiradas em sabores brasileiros e ganharam esses rótulos lindos. Minhas impressões:

A Bela Rosa é a preferida. Não só a minha, como a de muitos outros pelo o que ouvi no lançamento. Trata-se de uma Witbier com toque de pimenta rosa. Apesar disso, ela não é picante. A presença da pimenta é mais marcante no aroma. Ela é perceptível no paladar, porém bem leve. Achei isso ótimo porque não desequilibra a bebida já que ela é refrescante devido aos outros ingredientes (casca de limão, laranja e coentro). Maravilhosa, sério.

A Japutiba é uma IPA com toque de jabuticaba, sabor que senti presente apenas no final de cada gole. Ela é mais seca, bem encorpada e com amargor equilibrado. Opção boa para quem gosta das moderadas: nem forte, nem leve.

Por fim, provamos a Caá-Yari, que leva erva mate. Essa é para os fãs das amargas, mas amargas mesmo. Uma Belgian Blond Ale para os fortes (eu sou fraca, gente, alguns goles e olhe lá). Ela é levemente adocicada e com sabor maltado. Das três é a que mais se destaca, sem dúvida, talvez por isso mesmo tenha sido a preferida entre os nossos meninos.

Depois conhecemos o museu da cervejaria que não só conta a história da cerveja e de como a Bohemia surgiu, como o processo de fabricação. Na minha opinião a sala mais incrível é a de brassagem, que foi mantida em seu formato original. Achei demais aquilo tudo. Fazer cerveja dá trabalho, viu? Ainda mais naquelas proporções.

Um passeio bem bacana para quem ama a bebida. Por lá ainda rola o restaurante da Bohemia (já falamos dele aqui), vale a visita. E para quem ficar com vontade de experimentar as novas cervejas, elas chegam aos pontos de venda em breve e começam a ser vendidas esta semana no site Empório da Cerveja, com entrega para todo Brasil.





Fotos: Natalia Valle

Eu estou amando esse frio que tem feito, e vocês? É a minha época preferida do ano não só porque adoro o clima, mas também pelas inúmeras delícias: fondue, massas, vinho tinto, sopas, caldos e comida apimentada. Na minha opinião não tem comida de conforto melhor do que as do inverno. Estamos preparando receitas e dicas de restaurante para a estação e aproveitei para separar alguns produtos também. O meu preferido é o diário de degustação de vinhos (gosto de experimentar vários mas sou péssima em guardar os nomes, daí nunca lembro “daquele vinho maravilhoso que tomei outro dia”). Esse caderninho foi feito para colocar todas as informações necessárias, achei prático e fofo.

01. Conjunto de xícaras – Anthropologie // 02. Geleia de pimenta – Queensberry // 03. Bule esmaltado – Lili Wood //
04. Moletom – Romwe // 05. Conjunto para fondue Matrioska – Extra // 06. Cantil para bebida – Urban Outfitters //
07. Meias divertidas – ASOS // 08. Copo térmico amplificador – Imaginarium // 09. Diário de degustação de vinho – Uatt // 10. Conjunto Sopeira Confeti – Ciriana





Fotos: JG

Seja viajando a turismo ou a trabalho, a gente sempre consegue tirar um tempinho para explorar a cidade onde estamos. A viagem para a Philadelphia tem sido um misto dos dois casos. Eu ia dar as dicas na volta como de costume, mas já que dessa vez serão três meses, decidi escrever daqui mesmo. Nesta viagem terei tempo suficiente para explorar a cidade e principalmente para provar as comidinhas mais famosas daqui, mas vamos começar pelo básico.

A prato famoso, ou pelo menos o mais turístico, da cidade é o sanduíche Cheesesteak (ou Philly Cheesesteak). Trata-se de pedaços fininhos de carne cobertos com queijo derretido e servidos no pão. Normalmente a carne usada é o rib-eye (alcatra ou contra filé) cortado e grelhado na chapa por horas, com algumas especiarias e molhos que variam de lugar para lugar. Depois ele é coberto com queijo (Cheez Whiz que parece um molho de queijo, provolone ou american cheese, ou todos juntos) e colocado em uma baguete bem fofinha.

O primeiro Cheesesteak que experimentei foi no famoso Reading Terminal Market, que funciona como um mercado central daqui. Muitos turistas são atraídos por ele, mas confesso que o sanduíche de lá não está entre os melhores da cidade. De qualquer forma, a visita ao mercado está super indicada. Por lá eles oferecem muitos produtos locais, exóticos e comida Amish! Vale a visita não só porque o lugar é lindo mas principalmente porque você poderá petiscar nos diversos stands que vendem queijos, cookies, cupcakes, carnes e muitas outras coisas. Tudo fresco e preparado na hora.

O melhor cheesesteak que provei fica na região sul da cidade, em um local chamado Geno’s Steaks. Essa região lembra o Soho de NY, é cheia de restaurantes, bares, galerias de arte, e é onde fica o mercado Italiano. Só o passeio já é uma delícia! Apesar do Geno’s não ser o pioneiro (o primeiro local a servir, segundo as histórias, foi o Pat’s Steaks que fica bem em frente), o de lá é super suculento, macio e delicioso. Não se deixe assustar pelas filas, elas são organizadas e rápidas. É o tempo de você escolher como vai querer o seu sanduíche! É possível adicionar cebola ou outros toppings.

De sobremesa, porque ninguem é de ferro, recomendo a visita ao Federal Doughnuts. Lá é vendido o melhor donut da Philadelphia, dizem os locais. E é muito gostoso mesmo! O lugar é pequeno e muito procurado, nem todos os sabores são vendidos diariamente e os donuts costumam acabar ainda de dia, por isso não deixe para ir muito tarde! Vale a pena correr pra lá e garantir os donuts fresquinhos, feitos na hora, quentes e muito macios. Realmente o melhor que já provei.

Reading Terminal Market – 51 North 12th Street
Geno’s Steaks – 1219 S 9th St
Federal Doughnuts – Central Philly 1632 Sansom St / South Philly 1219 S 2nd St





Fotos: Natalia Valle

Aqui no Gulab dividimos não só a paixão pela gastronomia, mas também em conhecer outras culturas e descobrir bebidas e pratos específicos de cada canto do mundo. Viajar alimenta a alma, acreditamos tanto nisso que já foram mais de vinte países visitados desde o início do blog. Enquanto planejamos as próximas, matamos a saudade do jeitinho que dá, aqui no Rio mesmo. A França é um dos destinos que deixou muita saudade e a dica de hoje é um restaurante que mistura muito bem a nossa gastronomia com a deles: o La Fabrique.

Já estivemos por lá algumas vezes e o cardápio sempre nos chama de volta. Primeira dica: vá durante a semana. Em dias normais fica mais calmo e você será bem atendido. Já aos finais de semana, o restaurante costuma ficar confuso neste ponto. Um dos atrativos é que tem mesas na calçada de frente para a praia do Leme, uma ótima opção para esses dias agradáveis de outono. No cardápio você encontra pratos que certamente te deixarão na vontade:

Um dos meus preferidos é o camarão sauté ao molho picante com bolinhos de arroz em crosta de gergelim. Daqueles simples mas deliciosos, sabe? Uma escolha feliz e bem temperada. Se eu fizesse um top 10 drinks no Rio (olha, até que não é má ideia para post), o Spicy Passion deles estaria na lista. Ele é maravilhoso e bem girlie (leve e docinho). Leva vodka, pimenta, maracujá e borda de açúcar – não deixe de provar. Já a Flavia curte bastante o filé mignon grelhado com molho de roquefort acompanhado de gratin de batatas e legumes (impecável e apaixonante) com um bom vinho.

Para a sobremesa, a gente recomenda as francesas petit gateau (absolutamente delicioso) e crepe de chocolate com nozes e sorvete de café, também maravilhoso. Se preferir uma brasileira, ou menos calórica, tem as pérolas de tapioca ao leite de coco com manga e hortelã – diferente, leve e super refrescante. Não disse que era uma mistura gostosa?

La Fabrique
Av. Atlântica, 994 – Leme
Rio de Janeiro, RJ
restaurantlafabrique.com.br





Fotos: Natalia Valle

A tapioca ganha destaque quando o assunto é café da manhã fit. Ela é gostosa e saudável, não contém glúten e além disso é eclética, acompanhando bem os mais variados sabores. Eu não costumo comer tapioca pela manhã, já que tenho um problema sério com compulsão (ela tem um grau de saciedade muito menor que farinha de trigo integral). Porém, fui criada em casa de pernambucana, então ela sempre fez parte da minha vida marcando prensença em tardes deliciosas.

Outro dia tive vontade de fazer para os meus amigos e experimentei uma forma diferente de servir: usei como base para canapé. Eu sei que canapés estão fora de moda e que aqueles pães quadrados com pastinha em cima são a imagem atual da cafonice gastronômica, mas que tal dar uma modernizada na coisa? Fiz o canapé de tapioca com dois cremes gostosos com cream cheese, um de espinafre e outro de abobrinha com cenoura e cebola. Fez sucesso!


Canapé de tapioca



    Ingredientes

  • 1 xícara de tapioca pronta
  • 1/2 espinafre (somente as folhas)
    cozido no vapor (ou rapidamente em água fervente)
  • 6 colheres de sopa de cream cheese
  • 1 colher de chá de tomilho fresco
  • 2 pitadas de sal
  • 1 pitada de pimenta
  • 1/2 abobrinha ralada
  • 1/2 cenoura ralada
  • 1/2 cebola ralada
  • 1 colher de chá de azeite

Modo de preparo
Prepare os discos de tapioca, bem pequenos
(com cerca de 5cm de diâmentro). Reserve.

Refogue a cebola no azeite.
Quando estiver levemente dourada, adicione a aborbinha, cenoura, sal e pimenta.
Mexa bastante, tampando em seguida até que estejam tenras.
Adicione, então, 3 colheres de sopa de cream cheese.

Bata no liquidificador o espinafre com o restante do cream cheese, tomilho e sal.
Coloque os cremes sobre as bases de tapioca.
Sirva quente ou espere que resfrie em pequena quantidade e sirva imediatamente.

O problema principal do canapé é a demora entre a preparação e o uso.
Não perca esse timing, caso contrário as bases podem ficar molengas e o recheio ressecado.

Rendimento: em torno de 15 tapioquinhas.





Fotos: Natalia Valle

Ontem a Nat deu sugestões de presentes para o dia das mães e hoje eu trago mais uma forma de presentear no próximo domingo: fazer uma comidinha bem gostosa. Para mim, dia das mães é um dos poucos eventos que não envolvem uma mesa de almoço com toda a família como cenário de encontro, mas sim minha refeição favorita: o café da manhã.

Quantos de vocês já não comemoraram o dia preparando um super café da manhã para a mãe? Surpreendendo-a com mamão cortadinho, misto quente, ovo mexido e outras maravilhas matinais? Algumas vezes o ovo está passado ou o café forte demais, mas tudo bem porque certamente sua mãe considerou estas as melhores manhãs da vida dela. Afinal, ela ganha carinho em forma de comida, retorno de todo o esforço que ela fazia com seus cafés da manhã só que melhor ainda, por ser um evento, um extra, um não obrigatório.

Por aqui tentamos nos reunir as três (minhas irmãs e eu) para o café da manhã com a minha mãe e costumamos variar o menu. Esse ano vou incluir o mingau de quinoa com morango. Normalmente esse grão é apresentado em forma de salada ou substituindo o arroz mas esta aplicação é diferente e deliciosa. Se você também é um adepto da quinoa por ser uma rica fonte de proteína, ferro e outros motivos saudáveis e fits, você vai amar essa receita.


Mingau de quinoa
com morango



    Ingredientes

  • 200g de quinoa
  • 500ml de leite desnatado
  • 200ml de água fervendo
  • 1/2 xícara de açúcar mascavo
    (pode substituir por mel ou adoçante, ajustando a quantidade)
  • 1 caixinha de morango picado
  • 1 potinho de iogurte desatado 200ml
    (usei o natural grego)



Modo de preparo
Leve a quinua para cozinhar na água, leite e açúcar mascavo até que esteja bem tenra.
Caso não seja suficiente o líquido, adicione um pouco de água.
Junte o morango picado e o iogurte, misture bem.

Sirva quentinho em dias frios.
Para consumir gelado, deixe gelar e só então adicione o iogurte e morango.