Variedades

Não como coisas que tenham rosto

Com essa célebre frase de Phoebe Buffay, abro esse texto homenageando os personagens da cultura popular que optaram por uma dieta sem carne. Vegetarianismo é um regime alimentar que exclui da dieta todos os tipos de alimentos de origem animal, e é baseado fundamentalmente no consumo de alimentos de origem vegetal.

Estes personagens normalmente são tidos como pessoas mais centradas e espirituais. Não sei se isso é algo inerente à personalidade dos vegetarianos, ou se é uma percepção que o mundo tem dos mesmos.

A Phoebe, de Friends, ativista vegan, sempre foi clara em sua batalha pelos direitos dos animais. Sendo em músicas de protesto como “Smelly Cat”, ou em sua recusa em herdar um casaco de pele. Phoebe se rendeu durante a gravidez dos seus sobrinhos trigêmeos, ao comer carne. Durante esse período, Joey abdicou das mesmas para gerar equilíbrio no mundo.

Uma personagem muito conhecida, mas que poucos sabem de suas preferências alimentares, é a Mulher-Maravilha. Princesa Diana, amazona grega e ícone feminista, é vegetariana. Aparentemente, a superheroína mais famosa do mundo tem a habilidade de se comunicar com animais (Esse poder não é muito conhecido, ou usado em histórias). Ter um chef Minotauro também torna pedir uma picanha um tanto quanto desagradável.

Outra personagem famosa por suas predileções por vegetais é a estudiosa e centrada filha dos Simpsons, Lisa. Ela decide se tornar vegetariana após ir a um zoológico local e refletir sobre comer animais. O episódio é famoso pela participação de Paul e Linda McCartney, que só concordaram em participar caso a mudança da personagem fosse permanente. No episódio, Linda fala que se tocarmos “Maybe I’m Amazed” de trás pra frente, escutaremos a receita para uma deliciosa sopa de lentilhas. Que tal se inspirar com estas personagens? Aqui no Gulab você encontra várias receitas deliciosas que mostram que não precisamos de carne para ter sabor.

You Might Also Like

1 comentário

  • Reply
    Luana
    10 de abril de 2012 at 17:40

    Adoro cultura inútil!

  • Deixe um comentário