Brasil Rio de Janeiro Viagem

Rio: Le Blé Noir

Fotos: Natalia Valle

Tem um restaurante em Copacabana que andava despertando a minha curiosidade, uma creperia antiga que vive lotada não importa o dia da semana e que sempre ouvi dizer que era cara por ter um crepe diferenciado. E daí eu pensava: “Mas gente, é só crepe. Não pago tantas dilmas assim, muito menos fico em fila por um.” Até que dia desses eu fui lá conhecer e mordi a língua, mas mordi feio. Há uma coisa que você precisa entender antes de ir ao Le Blé Noir: sabe aquele crepe que vende na maioria dos restaurantes brasileiros, que a massa lembra quase a de panqueca só que mais fina? Então, esquece. Crepe é outra coisa, é outra história, muito melhor contada. Apaga essa definição e vem comigo:

No Le Blé Noir eles são feitos com trigo sarraceno, um trigo preto cultivado na Bretanha. Ele é menos calórico que o trigo comum e possui mais proteína. O resultado é uma massa leve, bem fininha, quase crocante, e muito mais gostosa que as dos crepes comuns. O sucesso é tanto que até mesmo naquela terça-feira chuvosa havia gente do lado de fora esperando. Meu conselho é chegar cedo para evitar a espera, eles abrem apenas para o jantar, a partir de 19h30.

A casa é bem pequena e tem um ambiente acolhedor com luz baixa, decoração charmosa, pinturas nas paredes, velas na mesa, tudo lindo e um clima muito romântico não fosse o barulho. O volume do falatório é muito alto (estilo praça de alimentação), o que surpreende e particularmente me incomoda em um espaço tão pequeno e fechado. Acho que bate de frente com a proposta do ambiente e acaba tirando parte do seu encanto, mas fora isso a experiência é maravilhosa.

No cardápio há inúmeras opções de recheio e você pode montar o seu, se assim preferir. Eu fui com a indicação de uma amiga que é cliente fiel da casa e provei o favorito dela: crepe de camarões grelhados com redução de uva fresca, champignon, espumante e creme de leite, simplesmente sensacional a mistura dos sabores. Já o namorado optou pelo crepe de peito de pato defumado com champignon em redução de vinho do porto, com purê de maçã e queijo Saint Paulin, só elogios. Provei um pouquinho e também achei delicioso. São tantas opções, que combinamos de voltar para experimentar mais. Os crepes são fechados e bem servidos (abri para mostrar o recheio para vocês porque né, qual a graça de ver só a massa?), e ainda acompanham uma salada de alface.

Para finalizar com o doce, recomendo o crepe petit gateau, que é recheado com chocolate cremoso meio amargo e vem banhado no creme inglês com raspas de laranja caramelizada. Eu podia tomar uma tigela de sopa só desse creme, é tão incrível que eu até esqueci do crepe, só queria saber dele. Além dessa gostosura toda, fomos muito bem atendidos e o serviço foi rápido. Estivemos na matriz em Copacabana, mas há também uma filial na Barra da Tijuca.

Le Blé Noir
Rua Xavier da Silveira, 19 – Loja A
Copacabana, Rio de Janeiro
facebook.com/leblenoirbrasil

You Might Also Like

3 comentários

  • Reply
    Gabriela Goulart
    3 de abril de 2015 at 13:14

    Uau, parece maravilhoso! Ontem mesmo comi um crepe-panqueca num dos lugares mais famosos de Goiânia, nada a ver com esses das fotos! Fiquei curiosa. :) Beijos!

  • Reply
    Wanessa Oliveira
    3 de abril de 2015 at 14:32

    gente do céu!!!! Amo crepe e morri de vontade de comer só de ver essas fotos de vcs <3
    anotando a dica pra qnd eu for aí hehe
    bjokas

  • Reply
    Amanda Schuler
    5 de abril de 2015 at 21:32

    Geeeeente! :o Que vontade!
    Sou apaixonada por crepe e não tem uma “creperia” na minha cidade.
    Ameiiii o que provou.
    beijocas

  • Deixe um comentário